Domingo, 26 de Fevereiro de 2012

Vivi mais de mil anos. Morri inúmeras vezes. Quantas ao certo, não sei. A minha memória é uma coisa extarordinária, mas não é perfeita. Sou humano. As primeiras vidas confundem-se um pouco…Houve a minha infância. Houve muitas infâncias…atingi a idade adulta muitas vezes. Nasci e morri muitas vezes e em muitos locais… Observo as marés de pessoas irem e virem. A vida delas é curta, mas a minha é longa. Nunca tive um filho e nunca envelheci. Não sei porquê. Testemunhei a beleza em inúmeras coisas. Apaixonei-me, e ela é quem subsiste. Matei-a uma vez e morri por ela muitas outras e ainda assim nada tenho que o demonstre. Procuro-a sempre; recordo-me sempre dela. A minha esperança é que, um dia, ela se recorde de mim.”

 

Todas gostámos da constância de sentimentos e do amor de Frederick Wentworth por Anne Elliot (em Persuasão de Jane Austen); ou do amor de Fitzwilliam Darcy por Elizabeth Bennet, que mesmo depois de ter sido terminantemente recusado, manteve-se talvez ainda com mais força (em Orgulho e Preconceito de Jane Austen); podíamos até falar de John Thornton e do seu amor devocional e comovente por Margareth Hale (em North and South de Elizabeth Gaskell); De Heathcliff e Cathy, cujo amor venceu a morte (em Monte dos Vendavais de Emily Bronte). Todos eles romances fortes e largamente conhecidos e admirados.

 

Contudo, talvez não reconheçamos com tanta facilidade a história de Daniel e Lucy/Sophia, personagens que nos provam que, às vezes, o amor dura mais do que uma vida. O enredo do livro atravessa vários continentes, várias dinastias e vários espaços temporais, que oscilam entre a Ásia Menor em 552 à Inglaterra de 1918 e à Virgínia (EUA) de 1972. Neles, conhecemos a angústia de Daniel, um homem com a capacidade de reencarnar e de se recordar claramente das outras vidas que viveu e de reconhecer as almas daqueles com quem viveu anteriormente. Possuidor da chamada Memória, só um outro homem com as mesmas capacidades, possui uma memória mais extraordinária que a dele. Não está sozinho nesta experiência. Existem outros como ele e reconhecem-se mutuamente. No entanto, raramente se encontram pois existe talvez um em cada século, um nascido de entre milhões.

Daniel passou vários séculos a apaixonar-se pela mesma mulher. Conheceu-a, amou-a e matou-a na sua primeira vida e desde aí têm sido atraídos um para o outro e ele lembra-se de tudo. Ela muda de forma, de nome, não se recorda das outras vidas, mas é ela. E, por todas as vezes que ele e Sophia estiveram juntos ao longo dos tempos, também foram dolorosa e fatalmente afastados. Um amor sempre demasiado curto. Actualmente, Sophia é Lucy e o livro intercala essa relação de agora com vislumbres da sua longa história juntos. E, devagar, começa a despertar para o segredo do seu passado em comum, a compreender a verdadeira razão da intensidade da sua atracção, a força misteriosa que se atravessa nos seus caminhos, os afasta e os reúne novamente num outro local, num outro tempo, numa outra vida.

 

O livro é maravilhoso. Daqueles que se lêm de uma assentada só. Assistir ao desespero de Daniel que, vida após vida, continua sempre a procurar a sua amada, a saber esperar, a saber afastar-se quando sabe que tem de ser, a saber perdê-la continuamente, a viver na esperança que ela se lembre dele. Em nome da memória (no original My name is Memory (2010)) é uma história de encontros e desencontros ao longo do tempo, mas também uma história comovente de sofrimento, amor, coragem e fé.

 

Quanto à autora, Ann Brashares é uma escritora americana que escreve para jovens e adultos. É conhecida principalmente pela série juvenil Quatro amigas e um Jeans viajante, um  best-seller internacional que teve mais 3 livros como continuação e que foram adaptados para filme. Para adultos, além deste Em nome da Memória (em Portugal editado pela Editora Quinta Essência), escreveu ainda O último verão (também editado pela Quinta Essência). Tenho esperança que faça uma sequela para este Em nome da memória. A razão não revelo. Seria estragar a leitura a quem ainda não leu.



publicado por Sandra F. às 15:34
Gostei bastante deste artigo de opinião e fiquei convencidíssima a ler o livro!
Gosto da ideia de um amor perpétuo, se bem que deve ser extremamente doloroso...
Clara a 1 de Março de 2012 às 19:38

O que nos move é a Paixão de Ler. Este blogue será dedicado às nossas leituras. É um espaço aberto para esgrimir opiniões sobre aqueles que são os nossos melhores amigos na solidão - Os Livros.
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

27
28
29


arquivos
2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
tags

642 things to write about

a arte perdida de guardar segredos

a cabana do pai tomás

a casa do destino

a fada do lar

a melodia do adeus ; nicholas sparks

a última carta de amor

aconteceu em roma; nicky pellegrino

além tejo

alessandro barricco

allan percy

amo-te teresa

amor e sedução segundo jane austen

amor utopia ou realidade?; valerio albis

ann brashares

ann radcliffe

as esquinas do tempo

as farpas

as mulheres casadas não falam de amor; m

as raparigas da villa

as serviçais; the help; kathryn stockett

as velas ardem até ao fim

carlos quiroga

catarina pereira araújo

charles dickens

colleen mccullough

como tornar-se doente mental

conto

cristina boavida

daniel j. skrasmesto

david copperfield

de mãos dadas com a perfeição

diana gabaldon

eça de queiroz

einstein para despistados

em nome da memória

em terra de cegos

espero por ti na abissínia

eva rice

evie blake

f scott fitzgerald

francesco alberoni; sexo e amor

gabriel garcia márquez

gabriel's inferno

gabriel's rapture

gabriel's redemption

gaby hauptmann

gary chapman; as cinco linguagens do amo

gente feliz com lágrimas

gentleman; klas ostergren; romance polic

guia para um final feliz

h.g. wells.

harriet

henry miller

j.l. pio abreu

j.r. r.tolkien

jane eyre

jasper fford

joão de melo

john boyne

jojo moyes

jonas jonasson; o centenário que fugiu p

jorge amado

josé rodrigues dos santos; o homem de co

kevin brockmeier

lauren henderson

lea vélez

lisa keyplas

luís sepúlveda; conto

mar morto

mário salgueiro

mário soares

mark twain

mary balogh

mataram o s.n.s.

meg cabot

million dolar baby; f.x. toole

mulher procura hotel de cinco estrelas c

nicky pellegrino

o amor nos tempos de cólera

o grande amor da minha vida. paullina si

o grande gatsby

o hobbit

o livor do amanhã; cecelia ahern

o meu encontro com a vida; cecelia ahern

o principezinho; a.g. roemmers

o rapaz da porta ao lado

o rapaz do pijama às riscas

o regresso do jovem príncipe

o segredo de sophia

o sorriso ao pé das escadas

obrigada pelas recordações; cecelia aher

olhos de cão

orlando

os mistérios de udolfo

outlander- nas asas do tempo

pássaros feridos

peito grande ancas largas; mo yan; guan

perca o peso certo; bob harper; a dona d

policial

todas as tags

RSS
blogs SAPO